Calma, você não precisa comprar um imóvel agora

“Quem casa quer casa”. Essa simples frase, aliada a setecentos anúncios do imóvel dos seus sonhos com financiamento a perder de vista, vinha nos assombrando há um tempo. Tudo isso porque não temos um imóvel nosso, moramos de aluguel, com a perspectiva de continuar assim por um bom tempo.

Não sei quem inventou que antes de casar você tem que ter um imóvel seu. E apesar de tentarmos não dar ouvidos ao que todo mundo diz, volta e meia a gente se pega perguntando se estamos fazendo tudo errado, se a gente deveria estar comprando um apartamento de 45 metros quadrados financiado em 30 anos.

Poppy At Home

"Minha casa espaçosa tem dois metros quadrados!"

Hoje essa nossa crise recebeu uma luz vinda de um texto publicado no UOL Economia, com dicas do consultor de finanças Gustavo Cerbasi, autor do livro “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” (o livro é muito bom, recomendamos também). Nas palavras dele, muitas vezes vale a pena segurar as pontas no aluguel por um bom tempo antes de comprar um imóvel:

Ainda que o aluguel seja visto como ruim por parte grande parte dos casais, Cerbasi diz que ele pode ser o caminho mais seguro, especialmente quando os dois são jovens.

Ele cita duas consequências negativas quando o casal assume a compra de um imóvel muito cedo. Uma é a limitação geográfica que a compra dessa casa ou apartamento traz. “Você acaba condicionando suas escolhas profissionais a um certo limite geográfico, a uma cidade ou até um país, porque, afinal, está comprometido com uma moradia pelos próximos 20 anos.”

A outra desvantagem para um casal que compra um imóvel ainda jovem é o próprio aperto financeiro que essa decisão pode acarretar. Quem assume um financiamento como esse fica mais receoso em mudar de emprego e pode deixar de aceitar uma boa proposta pelo medo de ficar sem renda.

Há algumas outras dicas muito boas sobre finanças para casais no artigo, como o conselho de agrupar as finanças do casal. Não concordamos tanto com essa parte, até já escrevemos como nós dividimos o nosso dinheiro: dividimos todos os gastos do casal proporcionalmente aos nossos salários, e gastamos o que sobra com a gente.

“O maior problema decorrente da separação financeira é a possibilidade de, no longo prazo, dois comportamentos financeiros diferentes resultarem em dois perfis econômicos diferentes, ou seja: um rico e um pobre viverem debaixo do mesmo teto”.

Para solucionar este impasse, todos os nossos investimentos são conjuntos, ou seja, o que é investimento e economizado é do casal, enquanto o tutu do dia-a-dia é separado.

É complicado não ceder às expectativas, principalmente quando tudo à sua volta te bombardeia dizendo que você precisa ter um imóvel, que está muito fácil, que até o cocô do cavalo do bandido tem um apartamento e você não. Nessas horas eu tento respirar fundo e lembrar que o que a maioria das pessoas tem é uma dívida de 30 anos, e não uma cobertura nos jardins.

Por fim, excelente conselho final do Gustavo Cerbasi lá no texto: dinheiro não pode ser tabu entre o casal. Dinheiro é uma parte importante da vida a dois, porque quando falta, sobra chutes, pontapés e espinhos para todo lado. Melhor mesmo é que sobre e muito!

Agora queremos uma ajudinha de vocês. Quem dos leitores já tem um imóvel próprio, mas financiado? Na opinião de vocês, vale a pena? E quem decidiu esperar, como faz para não ceder à pressão?

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

5 dicas simples para o seu Dia dos Namorados

Há quem critique as datas comerciais, quem diga que não devemos tirar um dia para fazer algo especial, mas fazer de todos os dias algo incrível. Na teoria, lindo, na prática a gente sabe que a rotina é uma vaca que sempre atrapalha. Então nada melhor que aproveitar esta data para dar aquela namorada gostosa que nem sempre conseguimos.

Para isso, nada melhor que cinco dicas especiais, coletadas com contribuições dos nossos leitores no Facebook,  para você aproveitar o Dia dos Namorados longe das constrangedoras filas na porta do motel restaurante!

5 – Um clássico jantarzinho a dois em casa com vinho.

fish for dinner

Jantando peixe com vinho branco.

Essa opção nunca sai de moda, como comprova a Denia, que comemora a data há 29 anos! A Patricia também deu a dica de deixar tudo bem aconchegante com uma decoração especial.

Você pode aproveitar para mostrar seus dotes culinários para ela ou para ele, escolher um bom vinho na adega, ou aproveitar o friozinho do inverno e preparar um delicioso fondue. Ahn, cuidado com os kits de fondue muito baratos, o queimador pode derreter (aconteceu com a gente).

4 – Aproveitar o dia em um parque.

Pique-nique, pique-nique, piquenique no quintal!

Embora a gente sempre associe o dia dos namorados à noite, há muitas horas no dia que podem ser aproveitadas! (Ou transferidas para o fim de semana mais próximo à ocasião, já que este ano ele cai em uma terça-feira.)

Esta dica é da Leila: aproveitar o dia em um parque, que tal um piquenique? Há muito o que fazer a dois em um belo dia, como um passeio de bicicleta ou uma tarde vagarosa observando o dia passar.

3 – Curtir os filmes clássicos. Seja qual for a sua definição de clássicos.

Você vai entender finalmente o que significa "We'll always have Paris".

Há muitos filmes clássicos para ser explorados, e esta é uma boa desculpa para convencer o maridão ou a esposa a assistir Casablanca, West Side Story, Cinderela em Paris… Vale também o que você considerar clássico, por que não separar a data para mostrar a trilogia clássica de Star Wars, Curtindo a Vida Adoidado ou Zumbilândia, se for mais do espírito do casal?

2 – Descubra um novo jogo a dois.

Kalki playing Rummikub

É tipo assim, mas sem o papagaio.

Aqui vale tudo, desde jogos de cartas, papel, tabuleiro, ou videogame, dependendo do perfil do casal. Aproveite a data para descobrir um jogo novo, aprender as regras, e passar uma noite bastante divertida, seja vendo quem consegue bater primeiro no rummikub, seja quem mata mais chimeras em Resistance. Você pode pensar também naquele tipo de jogo que eu não vou falar neste blog de família. 

1 – Experiências aventureiras culinárias – Cozinhe pratos difíceis, ou experimente novos drinks.

Sim, isso é um drink. Não, eu não sei que gosto tem (ainda).

Esta é uma dica que não recomendamos para casais de primeira viagem, ou seja, aqueles para quem este é o primeiro dia dos namorados, que ainda não estão totalmente à vontade um com o outro.

Descubram um prato considerado difícil, ou tentem repetir em casa o prato especial de um restaurante conhecido. Para acompanhar, nada melhor que um dicionário de drinks, e algum nome obscuro como Alien Brain Hemorrhage. Ou você pode aprender finalmente a preparar os clássicos do cinema: cosmopolitan, dry martini e margarita.

Claro, este item tem grandes chances de dar errado, mas também tem tudo para ser muito divertido no processo. E sempre vale ligar para a pizzaria para salvar a sua noite.

Já tirou sua foto para concorrer ao puff?

Aproveitando que estamos falando de Dia dos Namorados, estamos com um concurso no blog, que vai dar um puff de presente para o casal mais criativo que tirar uma foto no sofá! Aproveite, é só clicar aqui.

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Sobrevivência básica: bolo de chocolate

Eu amo bolo de chocolate!! Aliás, todo aniversário eu só queria bolo de chocolate. E o marido também é assim. Teve um aniversário dele que eu até fiz o bolo, com direito a recheio e tudo! Até o nosso bolo de casamento foi de chocolate!

Eu não tinha uma receita exata de bolo de chocolate, então eu não aprendi direito a fazer. A receita que a gente mais fazia na casa da minha mãe era ok, mas não era ainda super gostosa. E as outras eram mais complicadas, só numa ocasião especial mesmo. Faltava um bolinho pro fim de semana, pro chá com as amigas, pra receber visitas.

Ok, eu confesso: adoro fazer bolo sem receita, nada como sentir a adrenalina, hahahahaha!!!

Mas diante de alguns fracassos bolos que poderiam ter ficado melhores, decidi que era a hora de procurar uma receita boa. Nada muito complicado, nada que fosse 6 ovos, nada que exigisse batedeira.

Nham nham nham!

Aí eu achei essa receita, do cibercooks, e desde então é a minha receita de bolo! Fica super fofinho e o Rodrigo adora!

1 xícara de chá de leite morno
3 ovos
4 colheres (sopa) de margarina derretida
2 xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de chocolate em pó
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento químico em pó

Eu simplesmente vou colocando os ingredientes nessa ordem e vou batendo aos poucos no liquidificador. O fermento eu nem bato direito, só aperto o pulsar. Unto a forma com margarina e enfarinho. As vezes coloco açúcar também.
Uma canelinha por cima desse bolo quentinho deve ficar delicioso, ainda não testei…

O site até indica uma cobertura. Eu nunca fiz, gosto mesmo é de cobrir com brigadeiro!! Aquela cobertura do bolo de cenoura (aquela que endurece!) também fica deliciosa!

Aqui vai o link: http://cybercook.terra.com.br/bolo-de-chocolate.html?codigo=1603

Vocês tem alguma receita infalível? Aquela à prova de iniciantes e de forno temperamental?

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Eu nunca me senti um homem casado até me casar

Existe um grande dilema na cabeça dos noivos,  namorados, e daqueles que começam a morar juntos, que é o tal do “será que eu estou pronto para ser um homem casado?” Digo “homem”, mas a mesma linha de raciocínio vale também para a mulher.

A reflexão começou com este artigo do The Art of Manliness, chamado “Want to Feel Like a Man? Then Act Like One”. Trata-se de uma versão extendida daquele tradicional ditado “finja até que aprenda”, que em inglês soa muito melhor com “fake it until you make it.”

Você nunca se sente um homem de verdade até que comece a agir como um homem de verdade. Pode ler sobre o assunto, pode pesquisar, conversar, mas até que pise para fora da casa dos seus pais e leve a vida que você quer, você nunca estará pronto. A gente sempre espera algum momento mágico, em que nos sentiremos “prontos”, para então saltar, quando na verdade, só se aprende saltando.

Assim como qualquer aprendizado. Você pode observar um pianista por anos, mas você nunca vai estar pronto antes de colocar as mãos no teclado. Não se aprende a nadar sem mergulhar na água. Você não é um peru de natal com termômetro indicador de pronto.

Better Run - You've got less than a month!

O que você quer dizer com termômetro indicador de pronto?

Esse é um dos grandes dilemas do casamento, ou de morar junto. Por mais que alguma coisa na sua cabeça diga que ela é a pessoa certa, você jamais sente que está 100% preparado  para o casamento. A coragem está justamente em assumir isso, respirar fundo, e fazer o pedido. Com a cara, a coragem, e a fragilidade que a situação envolve.

Eu não sabia dividir as contas, eu não sabia como consolá-la ao seu lado na cama em dias tristes, eu não sabia como agir se ela ficasse doente, eu não sabia se um emprego seria capaz de pagar o aluguel do apartamento, eu não sabia se eu conseguiria conviver com quinze tipos diferentes de cremes na pia no banheiro.

E mais importante, eu não sabia se ela aprenderia a conviver com este ser estranho que aqui escreve.

Este era eu no dia do casamento. Sem certezas. E feliz.

É aí que está a magia. Não dá pra saber. Mas você aprende como se tornar um recém casado. Para depois aprender a ser casado, e um dia, quem sabe, verei como é fazer bodas de ouro.

Você nunca pára de aprender. E de se surpreender consigo mesmo.

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

5 duetos para animar a sua tarde

Johnny e June, um dos melhores filmes evar sobre um casal de cantores.

Se tem uma coisa que consegue melhorar quase qualquer música é transformá-la em um dueto. Tem alguma coisa mágica nessas músicas que brincam com o fato de duas pessoas conversando animadas, como naqueles ambientes encantados de musicais.

Começamos com Edward Shape and the magnetic zeros – Home

Seguimos com o mestre Johnny Cash com June Carter – Time’s A Wastin


Gostamos também da versão com Joaquin Phoenix e Reese Whiterspoon, mas não achamos uma versão decente no Youtube.

Da década de 60 pulamos para algo mais atual, com Jason Mraz e Colbie Caillat – Lucky

E se estamos falando de duetos recentes, vamos com um clássico, por um duo contemporâneo: Tony Bennett & Lady Gaga – The Lady Is A Tramp

E para encerrar com chave de ouro, um clipe que sempre faz a gente rir: Elton John e Ru Paul, com Don’t Go Breaking My Heart

Enquanto conversávamos sobre quais músicas deveriam entrar aqui, pensamos em muita coisa, de filmes, musicais e animações da Disney. Mas essas vão entrar em outros posts, nos aguardem!

Item bônus! Manah Manah, que vai ficar na sua cabeça o resto do dia!

Manah Manah pra você!

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Como ser um bom hóspede na casa da sogra

O sogro havia se retirado para o cochilo da tarde, enquanto Ela e sua mãe discutiam em qual filme Johnny Depp estava mais bonito. Sobrando, achei melhor dar um pulinho ali na sala para ver o que tinha na TV.

Dois programas de “Como reformar a sua casa em um final de semana” depois, o sentimento era familiar. Levantar ou não do sofá? Ficar no sofá e continuar o genro anti-social, ou ir participar e virar o genro entrão?

Entrando Numa Fria. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Chegamos a mais um post educativo aqui no Sofá, fruto de uma série de experiências de alto risco (não tentem isso em casa) para mostrar como se comportar naquele momento que muitas vezes é o teste de fogo do relacionamento: a casa da sogra.

Para não ficar perdido no masculino, feminino, esposa, marido, filho, filha, vou simplificar o texto escrevendo filho e genro, assim no masculino, mas que você pode ler como filha e nora, que dá no mesmo.

Ouça o seu cônjuge, mas nem tanto assim

Ninguém conhece melhor a sua sogra do que o filho dela. Então realmente ouça o que o filho (seu esposo ou esposa) tem a dizer. Detalhes como “precisamos levar toalhas e roupa de cama”, ou se as pessoas estarão vestidas para uma festa formal ou para um churrascão na laje, você pode deixar por conta do filho resolver, e não esquentar a sua cabeça com isso.

O problema é que o filho sempre tem uma visão totalmente distorcida de sua mãe, a melhor mãe do mundo. E o genro está em uma posição completamente diferente de relacionamento, o que é “ok, sem problemas”, para o filho, pode não ser para o genro (leia-se fechar a porta da geladeira com os pés e usar o banheiro de porta aberta – nuuuuuunnnnnnncaaaaa).

More tentacles

Isso é o que acontece quando você fecha a porta da geladeira com o pé.

Leve sempre um presente

Em algumas culturas, sempre que você visitar a casa de alguém, é de bom tom levar um presente. Esta tradição vale para algumas famílias, outras não, mas nós acreditamos que um agrado à sogra nunca faz mal. (E ouvi dizer que sogras gostam de chocolate.)

Mas, pessoal do Sofá, como assim um presente?  O ideal é um presentinho que seja significativo o suficiente, mas não grande coisa. Aquele tipo de “passei no mercado no caminho para cá, aproveitei e trouxe isso”. Flores são sempre muito agradáveis. Vinhos também são bastante adequados, principalmente se a visita é para uma ocasião mais festiva, não apenas a visitinha de rotina.

Agora, se a grana está curta e quaisquer dez reais estão salvando o porquinho, você pode preparar um bolo, bolachinhas ou outro petisco que seja sua especialidade, e assim mostrar como é prendado! Ou levar o sorvete para a sobremesa. Consulte o filho antes para saber se a sogra preparou um banquete com três entradas, quatro pratos principais e cinco sobremesas. Neste caso, não leve comida. :p

Um detalhe importante: não faça disso grande coisa, e nunca leve algo caro, para não criar uma situação desconfortável.

Ajudando nos preparativos e na louça

Mais um grande dilema vindo direto da terra do “lá em casa é diferente”. Em algumas casas é normal que todo mundo participe da preparação e arrumação da mesa, em outras isso é papel das mulheres, em outras dos filhos e certas casas têm pessoas contratadas para isso.

A maneira mais simples de colocar isso é “ofereça sempre, mas nunca insista”. E por oferecer, não digo aquela perguntinha safada feita só para livrar a sua cara dizendo que perguntou, mas sim oferecer ajuda já colocando a mão na massa, levando os pratos para a pia, ou cortando a cebola.

Não insista, nem seja o primeiro a fazer isso, muita gente se sente incomodada de ver “visitas trabalhando”. E embora você seja da família, por um bom tempo você será visita. Talvez para sempre!

A Sogra. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

O dilema entre dar espaço e estar ausente.

Quando o casal mora junto, nem sempre consegue manter a proximidade da família. Então, quando o filho visita a casa dos pais, tem que colocar a conversa em dia, resolver pendências, curtir a família. E aí o genro precisa dar essa liberdade, esse espaço, sem ficar grudado o tempo todo.

Porém, o oposto também é ruim, não dá pra ficar ausente, colado no celular, notebook ou na TV. É importante socializar e bater um papo com o sogrão enquanto a esposa conversa com a sogra!

Sim, falta assunto. Na maioria dos casos sempre falta assunto, e aí vale apelar para tudo, desde “esse carvão queima bem, né?”, ou até um “caramba, que trânsito”. Geralmente uma conversa é mantida por alguém que fala e alguém que ouve. Se você não é do tipo falante, tente deixar um assunto no ar e ficar mais ouvindo. Ah, claro, evite assuntos espinhosos, polêmicos, ou qualquer questão familiar. Você não vai querer se ver no meio da velha discussão sobre quem ficou com o piano da Tia Cotinha.

Não arraste o marido, mas também não o abandone à própria sorte.

Este tópico é o mesmo que o anterior, mas agora uma dica para o filho. Na casa dos pais, você está em seu habitat natural, tranquilo com os espaços e as pessoas. O genro, principalmente no começo, vai estar se sentindo um polvo na vidraçaria.

Por isso, é importante dar espaço para que o genro, marido ou esposa, possa ficar quieto em um canto, ou escolher não participar de determinada discussão, brincadeira ou passeio. Mas não o abandone ali no cantinho o fim de semana toda, convidar ou dar um empurrazão para o genro participar de atividades da família é papel do filho. Quanto mais participar, mais rápido acontece a integração.

Enfim

Este artigo foi escrito todo pisando em ovos, por motivos simples: cada família é uma, cada pessoa é diferente, e a relação que cada um tem com a sua própria família ou com a família do cônjuge varia muito. Mas quase sempre é algo meio complicado, ou pelo menos poderia ser melhor.

Como é essa relação na sua casa? Sogros e genros se dão bem, ou ainda está naquela fase de medir cada palavra, cada ação?

E aí, sogras, alguma dica? 🙂

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Olha só, saímos na Revista Metrópole!

Agora somos famosos! Brincadeirinha, saímos neste fim de semana em uma matéria na Revista Metrópole, uma revista semanal encartada no jornal Correio Popular, de Campinas.

Saímos em uma matéria sobre famílias blogueiras, ao lado de excelente companhia, como o Rafael Noris, Renato Kauffman e Giuliana Vaia. Antes de encerrar este pequeno post, um agradecimento especial à Sarah Schmidt pelo convite. 🙂

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Perfil de casal no Facebook pode?

Nas últimas semanas, uma ação do facebook criou polêmica: perfis com mais de um nome (de casal ou de família) receberam um pedido para se tornarem perfis únicos.

Sem querer discutir a questão da veracidade das informações dadas nas redes sociais, acredito que o tema ainda vai dar o que falar.

Sou do time que prefere contas separadas. Quando eu e Ele começamos a namorar, já tínhamos cada um o seu perfil no orkut. Aliás, cada um já tinha seu e-mail. E cada um tinha seu celular, seu nome e sua vida. O relacionamento não acontece para unir tudo na vida de duas pessoas, mas para que elas possam compartilhar momentos sem abrir mão de sua individualidade.

Eles nasceram grudadinhos...

Muitos casais alegam o ciúme como principal motivo para manter um perfil único. Com a mesma senha e os mesmos amigos, seria mais fácil evitar brigas por causa de um amigo que foi adicionado ou uma mensagem trocada. Eu acho que, quem quer trair vai achar tantos meios que nem precisa de internet. Ou antigamente era tudo lindo, né?

A cumplicidade num relacionamento é deliciosa. E essencial. Mas é gostoso manter um pouco de privacidade. De novidade até, eu diria. Poder falar: olha, reencontrei uma amiga de vários anos atrás na internet. Sem que o outro responda: “Xi, era sua amiga, nem conhecia, já deletei!”

Tem aqueles que escolhem juntar tudo por que fica mais romântico. “Vamos mostrar todo nosso amor para o mundo!”. Sério: o mundo já conhece seu amor pelo brilho dos seus olhos, não precisa provar o tempo todo. Fica brega.

Eu sempre fico pensando naquela amiga que pre-ci-sa contar aquele bafão do final de semana e quer mandar uma mensagem com as novidades e se depara com o perfil duplo, “o namorado da amiga vai ler tudo!”

Mantenham sua individualidade. Vocês não trabalham em lugares diferentes, não saem separados, tem amigos não em comum e tem cada um sua família? Demonstrem nos seus perfis que ele gosta de A e você gosta de B. Ele faz aniversário dia tal e você no outro mês. Que cada um já tirou um monte de foto antes de conhecer o outro, e continua fotografando. Num casal, cada peça é única, por isso se encaixam!

Nota do Marido: Se você quer uma via expressa para o tédio, basta se fundir à esposa/marido. A graça do casamento é sempre estar descobrindo coisas novas um do outro, gostos novos ou antigos, um lado que você não conhecia, e vários pequenos detalhes que fazem a vida muito mais gostosa.

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!

Campos do Jordão em casal

No fim de semana passado fomos comemorar nossas bodas de papel em Campos do Jordão! A cidade é linda e o clima estava muito agradável. Fresquinho de dia e frio à noite, mas sem congelar.

Aproveitamos não só para bater perna em Capivari, o bairro cheio de barzinhos e restaurantes legais, mas também para conhecer três espaços culturais.

O primeiro deles foi o Museu Felícia Leirner, um museu de esculturas ao ar livre, com 108 peças da artista polonesa-brasileira. O próprio jardim é lindo, com plátanos, hortênsias, azaleias, araucárias (e muito pinhão) e com uma trilha de caminhada em meio as obras. A vista também é linda, é possível ver a Pedra do Baú. É ótimo para um passeio romântico e para sessões de fotos! Lá ainda é possível conhecer o Auditório Claudio Santoro, que abriga o Festival de Inverno de Campos do Jordão.

O museu Casa da Xilogravura foi a próxima parada. Lá é possível conhecer melhor a gravura e suas técnicas, materiais e métodos, apreciando obras de diferentes lugares e períodos. O museu está passando por uma expansão e ainda exibe um pouco mais sobre litografia, tipografia e outros mais de reprodução de imagens.

Visitamos também o Palácio da Boa Vista, um dos palácios do governo do estado, com um acervo ótimo de obras modernistas brasileiras. Lá todas as visitas são em guiadas, então temos que aguardar para fazer a visita. O problema é que estava bem cheio, e tivemos que esperar na garoa e no frio… Fora isso a visita é bem interessante.

Nota do Marido: A visita ao palácio foi a única em que eu não havia pegado uma blusa, achei que não precisaria, o que resultou em um marido quase congelando e de mau humor. Não recomendo essa visita, mas minha opinião pode estar um pouco influenciada. :p  

Aproveitamos o passeio para por a gulodice em dia e visitar a fábrica de chocolates Araucária. Não é assim, uma fantástica fábrica de chocolates, mas continua sendo chocolate, né? Não dá pra ver muito de perto o que os funcionários estão fazendo, e a fábrica é bem pequena e já recebe uma parte do material pronto da Nestlé de Caçapava.

Ainda tivemos tempo para nos divertir jogando mini-golfe.

Nota do marido: O mini golfe foi uma das partes mais divertidas do fim de semana. Saiu caro, do tipo “caramba, tudo isso por um simples joguinho?” Mas como o objetivo do fim de semana era aproveitar, foi muito bem gasto! Ahn, e eu ganhei!

E recuperar as energias com um belo prato!

Para os casais em busca de um passeio romântico no aniversário, ou para aqueles que querem relaxar indico muito um final de semana na cidade.

Atualização: Colocamos mais algumas fotos lá no Facebook, olha só!

<<- Curta o Sofá no Facebook, ou clique aqui para compartilhar o post!