Pare de se preocupar e aproveite a dança

Como vocês sabem, Ela e eu fazemos aulas de dança de casal. Com toda essa história de mudança, acabamos faltando um pouquinho. Ok, sumimos completamente das aulas por mais de um mês.

Quando isso acontece, você volta às aulas e se sente uma batata fazendo balé. Seus pés não vão para o lado certo (isso quando eles não tropeçam em si mesmos), enquanto seu corpo fica tentando se encontrar no ritmo da música. Sem falar nos passos “novos”, ensinados há um mês, que você não faz a menor ideia de como faz.

Potato. Como vocês sabem, batatas não dançam.

Por isso, as aulas de dança estavam um pouco frustrantes, enquanto tentávamos acertar o passo, se trombando. Estávamos mais focados no que nos faltava aprender do que no repertório de passos que já dominamos.

Até que fomos a uma festa de casamento de uma amiga (mais gente entrando para o time dos casados, vem gente!). O forrozinho rolando, eu observava meus amigos, já um pouco alcoolizados, naquele dois para cá, dois para lá básico, às vezes com um três para cá e um quase tombo. Os mais ousados puxavam uma abertura, e um giro! E assim, se divertiam muito, muito mesmo, com uma base, uma figura, e mais nada.

Nesse momento me voltou a sensação que nos levou àquelas aulas no começo. Uma vontade de dançar, de aprender mais movimentos juntos, e conseguirmos nos divertir sempre, e cada vez mais. Puxei a dona esposa e dançamos a noite toda, até mesmo alguns estilos que não são nosso forte, como o samba de gafieira. Foi divertido, muito mesmo.

E o que essa história toda de dança tem a ver com a vida a dois, gente? Tudo. Em determinadas épocas começamos a ver tudo pela ótica errada. Pensamos na casa que falta comprar, no filho que ainda não temos, no cachorro que não adotamos, ou até mesmo no armário embutido que falta comprar para a cozinha, e esquecemos todo o repertório que já construímos para a nossa felicidade. Um marido, esposa, namorado, namorada, um lar, alugado, às vezes com a decoração meio cafona e móveis sem combinar, mas uma morada, em todos os sentidos.

Felicidade deve ser isso. Usar todo o seu repertório e aproveitar a dança. 🙂

(Foto por ores2k)

Leave a comment

4 Comments

  1. Carolina

     /  27 de setembro de 2012

    “Em determinadas épocas começamos a ver tudo pela ótica errada. Pensamos na casa que falta comprar, no filho que ainda não temos, no cachorro que não adotamos, ou até mesmo no armário embutido que falta comprar para a cozinha, e esquecemos todo o repertório que já construímos para a nossa felicidade. ”

    tava precisando ler isso. 😉

    Responder
    • Rodrigo

       /  27 de setembro de 2012

      Que bom que gostou, Carol! Volta e meia eu sei que vou ter que voltar a ler esse texto, porque eu SEMPRE caio nessa armadilha! 🙂

      Responder
  2. Guines

     /  27 de setembro de 2012

    J-Lo aprova esse post e diz: “I wanna dance/ And love/ And dance again”

    Amém!

    Responder

Deixe uma resposta para Rodrigo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *